Rosa Grilo foi sentenciada à pena máxima de prisão em Portugal.

O Tribunal de Loures deu como provado que foi Rosa Grilo quem tirou a vida ao marido, Luís Grilo e afastou o amante, António Joaquim, do cenário do crime.

Durante a leitura do acórdão, o tribunal afirmou que Rosa Grilo mentiu e que a tese da viúva é “inverossímil”. Rosa Grilo foi condenada à pena máxima de 25 anos de prisão efetiva por homicídio qualificado e por profanação de cadáver do próprio marido.

O amante, António Joaquim, foi absolvido do crime de homicídio, de profanação de cadáver, tendo sido apenas condenado a dois anos de pensa suspensa por posse arma proibida.

A viúva foi ainda condenada a pagar uma indemnização de 45 mil euros ao próprio filho menor, de 14 anos, fruto da sua relação com Luís Grilo.