O padre de Rhode Island defendeu a sua decisão de proibir todos os parlamentares que votaram a favor da consagração da proteção contra o aborto sob a lei estadual de receber comunhão na sua paróquia.

O reverendo Richard Bucci virou notícia internacionalmente na semana passada depois de declarar que todo o legislador que votou no ano passado para aprovar o projeto de lei que codifica a decisão Roe v. Wade da Suprema Corte de 1973 também não poderá atuar como testemunha de casamento, padrinhos ou eleitores na casamentos, funerais ou qualquer outra função da igreja.

O anúncio foi listado na Igreja do Sagrado Coração no boletim semanal de West Warwick e incluía dezenas de nomes na Câmara e no Senado. A decisão foi tomada alguns dias após o 47º aniversário da decisão Roe v. Wade.

O padre norte-americano deixou uma lista no folheto mensal da paróquia, onde proíbe 44 políticos de comungar e de exercer algumas funções nas celebrações religiosas, como ser padrinho ou ler a liturgia em casamentos e funerais. Porquê? Porque os 44 legisladores mostraram-se favoráveis à Lei da Privacidade Reprodutiva (aprovada no ano passado), que prevê que o Estado não deve negar ou interferir no direito da mulher em escolher ter um filho ou abortar.

“De acordo com os ensinamentos da Igreja Católica por 2000 anos, os seguintes membros da legislatura não podem receber a Santa Comunhão, assim como todos os responsáveis do estado de Rhode Island, bem como os membros do Congresso de Rhode Island”, lê-se no panfleto. Mais tarde, em entrevista à estação de televisão WAJR, Richard Bucci clarificou ainda mais a sua tomada de posição e estendeu a polémica aos abusos sexuais perpetrados por elementos da Igreja Católica: “A pedofilia não matou ninguém, isso sim [aborto]”.

Veja o video da sua entrevista:

DEIXE A SUA OPINIÃO