Mulher morta a tiro pelo marido depois de várias queixas às autoridades

A Polícia Judiciária investiga em Famalicão o que se parece com mais um caso de violência doméstica que terminou em homicídio seguido de suicídio.

A 18º vítima de violência doméstica chamava-se Otília Castro, e foi morta por um homem com quem mantinha ou já tinha mantido uma relação de intimidade.

O alerta soou por volta das 9h deste domingo, primeiro no posto territorial da GNR em Vila Nova de Famalicão, depois no Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU).

Para o local do homicídio deslocaram-se várias equipas de emergência, uma da Unidade Hospitalar de Famalicão e duas dos Bombeiros Voluntários Famalicenses.

O comandante dos Bombeiros Voluntários Famalicenses, Rui Costa revelou que a vítima, uma mulher de 56 anos, já foi encontrada sem vida, ao ponto que o homem, de 61, ainda apresentava sinais vitais. Dentro da ambulância, “entrou em paragem respiratória” e, apesar das imediatas manobras de socorro, acabou por perder a vida dentro da viatura.

Segundo revelou fonte da Polícia Judiciária do Porto, José Carlos Ribeiro tinha filhos de uma relação anterior e Otília Castro também. Nenhum deles viviam na casa de tons claros que partilhavam, na rua Rua Sr. das Penices, em Gondifelos. Os dele teriam ficado na Venezuela, onde morou muitos anos, e os dela em França, para onde emigraram.

O agressor já teria dito a alguns amigos que um dia ia “perder a cabeça” e tirar a vida à mulher, sendo que já era comum existir violência entre o casal. Também a vítima já teria desabafado com as colegas de trabalho, na fábrica têxtil, que iria tentar fazer com que ele deixasse a casa.

Na sexta-feira antes do crime, o sujeito foi chamado ao posto da GNR, onde a mulher já tinha formalizado uma denúncia por violência doméstica. Presume-se que na sequência desta diligência tenha havido uma escalada de violência.

O casal terá falhado um compromisso no sábado, e manteve as luzes da casa ligadas durante toda a noite, levando a alguns vizinhos a suspeitar de que algo estaria a acontecer e a alertar um familiar.

As autoridades suspeitam que o homem pegou numa velha arma que tinha dentro de casa e disparou primeiro contra a mulher e depois contra si próprio. Segundo o comandantes dos bombeiros, ambos apresentavam ferimentos de bala abaixo do maxilar.

Otília Castro torna-se assim a 18.ª mulher a ser notícia este ano por ter sido morta por um homem com quem mantinha ou já tinha mantido uma relação de intimidade.




Artigos relacionados