A mulher que deixou o filho com menos de um mês junto à Igreja Evangélica Baptista do Cacém, no concelho de Sintra, foi constituída arguida no processo e ficou em liberdade, com termo de identidade e residência.

Conforme divulgado esta sexta-feira, a medida de coação menos gravosa foi-lhe aplicada pelo Ministério Público, após se ter entregado no Hospital Amadora-Sintra, na companhia de uma assistente social. Perante a identificação, o posto policial da unidade hospitalar contactou a Divisão Policial de Sintra e a mulher foi levada para a Esquadra do Cacém, avança o Correio da Manhã.

A mulher terá admitido às autoridades que está “arrependida” e que está a passar por “graves dificuldades económicas após ter sido despejada da casa onde vivia”, a adiantou fonte da PSP à mesma publicação. A mãe tem intenção de recuperar a guarda do bebé, que se encontra bem de saúde.

A mesma fonte recorda ainda que o menino chegou a ser transportado para o hospital, estando agora numa família de acolhimento no concelho de Sintra. Na alcofa onde foi deixado, além de vários produtos de higiene e leite, encontrava-se também uma carta, escrita à mão, a explicar o porquê do abandono.

“Olá, boa noite. Desculpe a invasão a essa hora na casa e na vida de vocês de repente… Mas é que a minha mãe me ama muito ao ponto de me entregar para outra família com melhores condições para me adotarem.

Por favor, não julguem a minha mãe, ela só está a evitar que eu sofra junto com ela. Estamos a passar muitas dificuldades, por isso ela tomou essa difícil decisão.

Por favor, cuidem de mim como um filho vosso. Só quero amor e carinho. E cuidado, por favor, não me maltratem! Só quero um lar! Obrigado pelo amor e carinho de vocês. Prometo trazer muita alegria para a vossa vida! Já já faço 1 mês. Nasci a 26 de agosto. Obrigado. Que Deus vos abençoe.” Podia ler-se na carta deixada junto ao bebé.