Rui Mendes, desprovido de sentimentos, não teve compaixão pelo jovem.

Rui Mendes não mostrou quaisquer remorsos depois de tirar tirado a vida a João Pedro, como revelam os amigos da vítima.

Rui Mendes, o empresário que se entregou às autoridades, sem mostrar resistência, depois de ter tirado a vida a João Pedro Monteiro, um jovem de 24 anos, no exterior do Café Comendador, em Casével, concelho de Santarém, durante a madrugada do passado domingo, dia 24 de Novembro, vai aguardar julgamento em prisão preventiva.

O arguido de 56 anos foi ouvido em primeiro interrogatório judicial durante a tarde desta segunda-feira, no Tribunal de Santarém, tendo o juiz de instrução decidido aplicar a medida de coação mais gravosa.

O juiz sentenciou ainda que a medida de coação passará a prisão domiciliária com vigilância através de pulseira eletrónica caso a sua residência reúna as condições necessárias, e que depende da avaliação que vai ser efetuada pela Direção Geral dos Serviços Prisionais (DGSP).

Rui Mendes tirou a vida ao jovem de 24 anos com recurso a uma arma branca na sequência de uma discussão, entre um amigo e o homicida, que se terá iniciado no interior do Café Comendador e terminou no exterior do mesmo estabelecimento.

De acordo com o relato de uma amiga de João Pedro feito à nossa redação, a briga entre o jovem [amigo de João] e o homicida, começou com uma discussão completamente desnecessária provocada por Rui Mendes, que não terá gostado que o amigo da vítima se tivesse dirigido a uma mulher que se encontrava dentro do estabelecimento.

Inicialmente foi dado conta que essa mulher seria companheira de Rui Mendes e que o jovem terá direcionado um piropo a essa mulher, factos que foram desmentidos pela mesma fonte.

A vítima mortal não estava diretamente envolvida na discussão e ter-se-á metido com o objetivo de separar o seu amigo.