fbpx

Diana Fialho condenada a 24 anos de prisão pelo assassinato da mãe

O coletivo de juízes do Tribunal de Almada condenou, não só a filha da professora, como também o genro, pelo crime cometido a 1 de Setembro de 2018.

Na segunda-feira, Diana Fialho, foi condenada a 24 anos de prisão pelo homicídio da professora do Montijo, Amélia Fialho, que a adotou quando tinha apenas nove anos.

Iuri Mata, marido de Diana, também foi condenado, a uma pena de 23 anos de prisão.

Diana, de 23, e Iuri, de 27, foram assim considerados culpados pelos crimes de homicídio qualificado e de profanação de cadáver.

Além da pena de prisão efetiva, a filha adotiva ficou também impedida de ficar com a herança da mãe.

Tal como descreveu o Ministério Público na acusação, Diana e Iuri “gizaram um plano para matar Amélia Fialho, de 59 anos, e, ao jantar, colocaram fármacos na bebida da vítima que a puseram a dormir”.

Depois agrediram-na violentamente na cabeça com um “martelo” e transportaram o seu corpo para um terreno agrícola, em Pegões, onde, com recurso a “gasolina”, atearam fogo ao cadáver, provocando um pequeno incêndio naquela zona de mata.

Numa tentativa de ludibriar os inspetores da Polícia Judiciária, Diana Fialho recorreu às redes sociais para dar conta do desaparecimento da mãe, tendo chegado a comparecer em programas televisivos a pedir ajuda para encontrar a mãe.




Artigos relacionados