Os dois tripulantes ficaram gravemente feridos após a queda do avião que combatia as chamas no Parque Nacional da Peneda-Gerês.

O aparelho, um Canadair, datado de 1974, despenhou-se sobre a encosta de uma montanha numa área de difícil acesso, contudo os meios espanhóis já conseguiram chegar ao local.

O acidente ocorreu pelas 11h20 deste sábado, e não são conhecidos para já detalhes em que aconteceu o acidente, indicou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo.

O GPIAAF – Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários indicou à Lusa já ter sido notificado do acidente e que está a enviar para o local uma equipa para dar início às diligências.

No combate a este incêndio, encontram-se cerca de cento e seis operacionais, 29 viaturas e dez meios aéreos, portugueses e espanhóis, que trabalham em conjunto perto da fronteira.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo explicou que alguns dos nove meios aéreos “são de coordenação e não de combate” e que o total de meios e operacionais no terreno inclui portugueses e espanhóis, pois o incêndio afeta a freguesia de Lindoso, concelho de Ponte da Barca, em Portugal, e “a zona de Lindos”, em Espanha.

A mesma fonte adianta ainda não saber de que lado da fronteira começou o incêndio, referindo apenas que o alerta ao lado português chegou pelas 05h19 desta manhã.

O aparelho acidentado trata-se de um avião português que fazia parte do dispositivo de combate a incêndios florestais e que os feridos graves são os ocupantes do aparelho.

DEIXE A SUA OPINIÃO