Cláudio Ramos não está a viver dias fáceis, e segundo a imprensa cor-de-rosa, isto acontece devido à enorme pressão colocada em cima do apresentador.

A ideia de trabalhar com Teresa Guilherme, a reconciliação com Cristina Ferreira e a pandemia têm “atormentado” Cláudio Ramos, revelam as mesmas fontes.

Foi o próprio que ilustrou o momento vivido nas redes sociais, onde admitiu que sente falta de dias de sorrisos, abraços e mais seguranças.

“Recuemos até ao dia onde andávamos pela rua sem medo. Onde as máscaras eram uma coisa de médicos e enfermeiros (…) Os abraços uma constante. Saíamos sem pensar e voltávamos a sair vezes sem conta. Recuemos ao tempo onde vivíamos cheios de certezas absolutas. Onde viajar dependia apenas de dinheiro e agenda. Onde se ia ao teatro sem medo, ao cinema sem medo, a um concerto sem medo. Onde marcávamos um jantar sem medo, conhecíamos um brunch sem medo, descobríamos lugares sem medo”, escreve.

“Hoje, que muda a hora, cada um de nós pode ir onde quer usando a imaginação. O que não nos podemos esquecer é que o mundo não recua como a hora e por isso é importante o cuidado. É importante a máscara. A distância de segurança. Evitar lugares com gente (…) Não brinquemos com coisas sérias que estão aí os números a avisar toda a gente que quem manda no universo é o universo.”

E depois lá explica que o medo…até a ela chegou. “O medo condiciona? Claro que sim. É preciso dar-lhe tempo e espaço. Não permitir que nos silencie. Mas há que o respeitar. Respeitemo-nos uns aos outros”.