Após ter sido divulgado um vídeo nas redes sociais onde se vê o primeiro-ministro António Costa a chamar “cobardes”, vários profissionais de saúde revoltaram-se nas redes sociais.

Foi o caso de Carmen Garcia, que deixou uma carta aberta em resposta ao primeiro-ministro, que já se tornou viral.

Caríssimo Senhor Primeiro-ministro,

Ser cobarde não é recusar trabalhar num local sem condições de segurança para doentes e profissionais de saúde.

Ser cobarde não é recusar exercer funções numa entidade empregadora diferente da sua apenas porque a mesma é dirigida pelos camaradas de partido de sua excelência.
Ser cobarde não é recusar fazer parte da promiscuidade existente entre serviços públicos, privados e partidos políticos.

Ser cobarde não é recusar prestar cuidados num local onde nada existe e tudo falta.

Ser cobarde é não assumir os seus erros e empurrar para cima de terceiros a responsabilidade pelas ilegalidades cometidas por aqueles que o senhor tão desesperadamente tenta proteger.

Ser cobarde é fingir que não se passou nada, que estava tudo bem em Reguengos, e que as condições miseráveis em que foram encontrados os idosos são um delírio colectivo de médicos e enfermeiros.

Ser cobarde é vir agora atacar aqueles que desde sempre dão tudo pelos outros. É esquecer as palmas à janela e a importância da tão falada “linha da frente”.
Ser cobarde é, mais uma vez, meter os interesses políticos e partidários à frente da dignidade e da vida humana.

O senhor, que hoje apelida de cobardes os médicos, é o chefe do governo que apelidou de selvagens os enfermeiros. E é verdade que pode até conseguir manipular, com mentiras e manobras perniciosas, a opinião publica. Mas nós não nos esquecemos. Nós nunca nos esquecemos.

– Carmen Garcia

A propósito do que é ser cobarde.
Carta aberta ao Primeiro-ministro de uma médica .

“Caríssimo Senhor…

Posted by Obrigado Profissionais de Saúde on Sunday, August 23, 2020