Fagulha tem cinco anos.

Um bombeiro dos Voluntários da Figueira da Foz foi agredido à cabeçada no quartel daquela corporação onde prestava serviço voluntário.

Durante a manhã de sábado, Carlos Sotero foi agredido por um de dois homens de etnia cigana que maltrataram Fagulha, a mascote da corporação de Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz, um patudo com cinco anos de idade que foi resgatado da rua pelos bombeiros.

Um dos agressores agarrou o animal pelo pescoço, que ganiu em sofrimento.

Um dos colegas da corporação repreendeu o agressor e houve um desentendimento. Pouco depois, o indivíduo abordou Carlos para saber do colega bombeiro – que o havia repreendido. O facto de ter sido ignorado fez com que se exaltasse e, por isso, agrediu o bombeiro voluntário, de 45 anos, com uma cabeçada no nariz.

A Polícia de Segurança Pública foi chamada ao quartel e identificou o agressor no local. A vítima acabou por ser transportada para o hospital.

Já este domingo, as autoridades tiveram de se deslocar novamente ao quartel devido à presença de vários familiares do agressor.

Lídio Lopes, personalidade ligada aos bombeiros há décadas e atual Presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz, critica a inércia das entidades e a proteção de alguns agressores.

O líder daquela associação de bombeiros promete agir diante a Justiça e nos vários fóruns na defesa dos bombeiros de todo o país.

DEIXE A SUA OPINIÃO