Atropelamento destrói família de emigrantes pouco antes do regresso a França

A família de emigrantes que passava férias em Portugal e que se preparava para voltar a França, esta quarta-feira, ficou destruída em poucos segundos.

Artur Fajardo, a filha Cíntia e a enteada Beatriz foram atropelados na reta da Estrada Nacional 109, na localidade de Pedros, na Figueira da Foz, esta segunda-feira à noite.

Regressavam a casa a pé após terem ido ao café quando foram abalroados e projetados cerca de 20 metros.

Artur, de 48 anos, perdeu a vida de forma imediata, enquanto que Beatriz, de 19 anos, ainda foi sujeita a manobras de reanimação mas o óbito acabou por também ser declarado no local.

A filha Cíntia foi a única sobrevivente e encontra-se internada no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, onde está com prognóstico reservado.

O Correio da Manhã, revela que Artur Fajardo, pintor da construção civil, estava emigrado em França, estando de férias em Pedros. “Veio ver a mãe e ia regressar quarta-feira a França”, recorda o amigo Jorge Romão.

Minutos antes da tragédia, diz ter estranhado que estivesse a beber água e até brincou com ele: “Disse-lhe que para estar a beber água ia morrer depressa e ele respondeu-me que não podia beber álcool porque tinha de fazer a viagem”.




Artigos relacionados