Falecimento de luso-americano, residente nos EUA, vítima do novo coronavírus, está a correr os quatro cantos do mundo com a sua história emocionante.

Jonathan Coelho, neto de emigrantes portugueses, pertencentes ao distrito da Guarda, esteve internado numa unidade hospitalar durante 28 dias – 20 deles ligado a um ventilador. Acabou por falecer vítima de complicações cardíacas provocadas pelo vírus.

O luso-americano deixa a mulher e dois filhos menores, Penelope, de 10 meses, e Braedyn, de 2 anos. A esposa, Katie, contou que um dias antes de ser ligado ao ventilador, Jonathan deixou uma mensagem escrita nos rascunhos do telefone, dirigida a si e aos filhos, onde assumiu ter vivido a melhor vida que pôde.

“Amo-vos com todo o meu coração e vocês deram-me a melhor vida que eu alguma vez podia ter pedido”, começa por escrever.

“Sou tão sortudo e deixa-me tão orgulhoso ser teu marido e pai dos nossos filhos. Katie, tu és a pessoa mais bonita e atenciosa que eu podia ter conhecido. Faz tudo para que possas viver com a felicidade e a paixão que me fez apaixonar por ti”, acrescentou.

“Diz ao Braedyn que ele é o meu melhor amigo e que tenho orgulho de ser pai e de todas as coisas incríveis que ele fez e continua a fazer. Diz à Penelope que ela é uma princesa e poderá vir a ser o que quiser na vida. Tenho mesmo muita sorte”, pode ler-se.

Jonathan terminou a carta dizendo à esposa que seguisse em frente e que se encontrasse alguém que a amasse tanto a ele como aos filhos, para dar a oportunidade.